quinta-feira, 7 de maio de 2015

Carta para Tomaz

Filhote, de agora até seu pólo cefálico coroar no pólo sul da mamãe, lhe mandarei cartas adiantando nossas conversas neste mundo novo para nós dois.
Hoje sonhei com seu avô, Bianor, vovô Bibi, que só conhecerás por fotos, poucos vídeos e histórias de monte. Trajava linho branco, como era seu costume às sextas em homenagem a Oxalá, mesmo sendo filho de Oxum. Estava num bar bonito, decorado por madeira e luz baixa, cercado por gente risonha. Lembrou-me de que nos vimos última vez também num sonho, era carnaval, eu de Chacrinha. Vagamente. Muito raro sonhar com seu avô, raro lembrar sonhos, vivo sonhando de olho aberto.
Você iria curtir bastante vovô Bibi. Na minha adolescência, era o pai predileto dentre os pais da minha gang. Extremamente liberal no nível do comportamento, sair com “tio Bianor” era sempre uma grande aventura na noite dos adultos. Como a contradição mora no cromossomo humano, ele me permitia na infância pilotar lanchas, mas nunca, e o “nunca”dele tinha força, atravessar a Av. Boa Viagem para tomar côco verde, ou me aventurar pela praia junto com meu bando. Já crescido, torcia o nariz quando eu peitava frequentar shows de rock, mas fui o primeiro da minha geração a ganhar um carro. As mães dos meus amigos achavam um absurdo, e era, eu tinha 14. “Tio Bianor é uma gréia”, só escutava.  
Os sobrinhos preferidos e eu recebíamos presentes de sonho: Castelo de Grayskull, caiaque personalizado com a grafia do nome, roupa de neoprene e aparelho de mergulho completo, home computer Hotbit MSX, passagens pra Disney, teclado Minami MP 2020, Fiat Uno vermelho zero km e um Del Rey conversível de marcha automática, ar-condicionado, vidro elétrico – quase uma mágica no final da década de 80, que ainda tinha uma televisão de três polegadas com sinal ruim que ficava embutida no som do carro e cuja a imagem era ampliada por uma lente. Para deixar a cena mais pitoresca para época, havia um telefone sem fio com um sinal de curta distância, mas que dava para usar no miolo de Boa Viagem em torno do prédio onde ele morava. Aos 8 anos, em 1987, ganhei um cartão de crédito, Dinners Club International, luxo só, porém novamente a controvérsia, ou a sabedoria, eu só poderia utilizar com a sua presença, nas compras que ele aprovasse. Paguei muita conta no Nino`s em Copacabana durante minhas férias em jantares regados à cavaquinha e uísque. Em todas as eleições antes de retirar meu título, ele me levava à cabine e me mandava votar, “não quero me responsabilizar, o futuro é seu”, deu no que deu, acabei votando no Collor. Claro que quando havia amigos seus como candidatos, e sempre havia, ele mudava minha caneta, “é melhor aqui ó”. Todo ano novo, ele segurava no gargalo uma Dom Perignon e servia um gole na boca para cada um dos seus, sempre usava o mesmo short preto e uma camiseta amarelo-ouro. De novo Oxum. Fazia anualmente uma festa ecumênica gigante na praia, em frente ao seu prédio, na qual juntava a sacristia da igrejinha de Boa Viagem com pai de santo e baianas, que rodavam a saia na beira do mar enquanto incorporavam. O padre começava a missa, havia imagens de cristo e Nossa Senhora da Conceição. Constituía uma cena típica de um filme de Glauber. Isso tudo acontecia à noite, o que me enchia de medo e curiosidade.
Medo e curiosidade era o que eu sentia pelo vovô Bibi durante toda minha infância e adolescência. Extravagante e supersticioso, liberal e repressor, irascível e educado, perseverante e perdulário. Um anarquista com pitadas de punk no comportamento e na moral, e um conservador na política. Excêntrico, megalomaníaco que amava seu pai “desbragadamente”. E, aqui pra nós, nenhum brinquedo me enchia mais de felicidade quando ele de soslaio me olhava e dizia: “É craque.” Isso acontecia com alguma nota dez na escola, ou em coisas que eu fazia e só ele enxergava tanta craquice. Depois que seu aneurisma na artéria comunicante anterior se rompeu, numa hemorragia subaracnoideia severa, a única sequela que sofreu foi uma mudança de comportamento... para melhor. Saiu do uísque para a cerveja, ficou mais manso e mais sociável. Nesse momento, perdoei-lhe por falhas e imperfeições, perdi o medo e joguei o karma no lixo mais próximo. Pena que durou pouco e vovô Bibi partiu aos 59.
Há milhões de outras histórias do seu avô que reunirei num romance sobre esta curiosíssima família Oliveira, mas o que quero lhe falar mais objetivamente nesta primeira carta é que te livrei de se chamar, em vez de Tomaz, Bianor de Oliveira III. Não só vovô Bibi queria, como você era naturalmente, numa tradição de no mínimo cem anos, a próxima vítima. Seu trisavô, Bianor de Oliveira teve o caçula, Alfredo de Oliveira, que homenageou o pai no primeiro filho homem, vovô Bibi, que teve o filho único, até onde eu saiba, Alfredo de Oliveira Neto, eu, que quebrei esta corrente Bianor-Alfredo.
Quase, meu filho, por pouco.
Saiba que estou adorando nossa comunicação mão e chutes, tenho a certeza de que já reconheces quando é o papai, muitas mãos não recebem tantos chutes. Saiba que você já orgulhou muito o papai, pois seu primeiro movimento foi durante o disco Arena Canta Zumbi, você deve ter se empolgado com o batuque.  Você está agora com 37 semanas, cuidado com a cabeça ao se encaixar, tome conta do seu fígado recém-formado, e quando estiver naqueles soluços chatos, tente dar uns apertinhos no cordão. A partir de agora a mamãe me prometeu que vai dormir mais e falar menos ao telefone.
Tomaz, muita calma nessa hora, porque segundo Heráclito e o Lao-Tsé, tudo flui. Medite, meu filho.
Do papai que te ama desde que você tem 6cm,

Alfredo